Fórum fora do ar?

Olá para todos os 1d6 usuários com frequência no nosso fórum e que lembraram que temos um blog também.

Infelizmente por um problema técnico de hospedagem nosso fórum ficou fora do ar.

Estamos negociando com a hospedagem o retorno e tentando descobrir porque estava com erro.

 

Até lá pedimos um pouco de paciência e se quiserem me xingar ou jogar conversa fora até a solução, não se esqueçam que podemos usar o blog também.

 

Anúncios

Melhorando a Narrativa

Matéria escrita por Jrol lima, desenhista das nossas tirinhas 

Eu não sou mestre veterano. Mestro por no máximo três anos e, assim como muitos outros, tenho dificuldade de passar certos elementos para os jogadores. Dificuldades como gerar uma cena de impacto, suspense e aflição, assim como representar um personagem ou um lugar importante.

Por isso eu resolvi destacar aqui alguns pontos que aprendi durante esse tempo para melhorar minha narrativa durante os jogos e para deixar os jogadores mais imersos na aventura.

Música

musica

Música é bacana e tal, porém muitas vezes você perde a agilidade para encontrar a música certa para o tal momento, já que em RPG nem tudo é tão programado quanto a gente gostaria. Muitas vezes você se verá pausando o jogo em uma cena importante para passar alguns minutos procurando pela música certa daquela cena.

Minha dica: Selecione somente três músicas para o jogo. As três cenas mais importantes para aquela sessão. O impacto será maior e você será capaz de colocá-las em pouco tempo.

Atuação

atuacao

Você, mestre, precisa ser um ator. Pode ser até um ator ruim, contudo precisa ser um. Para isso, algumas coisas precisam ser feitas com frequência. Alguns truques que os atores usam para melhorar suas performances.

O melhor dos truques é falar diante do espelho. Muitas vezes nós travamos quando vamos dizer algo importante diante de várias pessoas e com isso diversos elementos são perdidos nesse nervosismo. Expressões faciais, corporais e intonações podem ser arruinadas se você não tiver prática.

Minha dica: Pelo menos uma vez por semana faça uma atuação exagerada diante do espelho. Uma daquelas que te deixaria constrangido. O importante é você perder o nervosismo. Não precisa se preocupar. Na hora de narrar diante do grupo, você pode se segurar e ficar mais comportado, contudo pelo menos você já treinou e viu como alguns elementos narrativos funcionam mais do que outros.

Escreva

escrita

Eu não gostava de fazer isso. Achava que eu deveria lembrar de todos os eventos de cabeça. O que acontecia era que: ou eu me esquecia de coisas, ou eu ficava ansioso com alguma cena e acabava passando por cima em descrições importantes. Isso é uma falha imensa para você que quer dar um clima profundo a uma cena.

Minha dica: Escreva e leia. Escreva como se fosse um romancista. Procure palavras bacanas no dicionário. Leia como um poeta exaltando alguns pontos. Se for o caso, marque esses pontos de exaltação no texto com um marcador ou apenas sublinhando. Escrever entre parênteses, ou com outras cores, comentários narrativos também é bom, como “fazer uma longa pausa após essa frase” ou “gritar essa palavra para assustar os jogadores”.

Bem. Então é isso. Esse texto é simples e talvez muitos vão considerá-los inúteis, pois muitas coisas aqui já podem ser feitas por outros mestres, no entanto como eu demorei para perceber que esses conceitos me ajudariam na narrativa, decidi compartilhá-los com vocês.

Esperamos que tenham gostado

Até a próxima ^^

Tirinha – Mas(não)morra (Pros)Dragões #4

Apresentamos: O Mago

Apresentamos: O Mago

Playtest D&D5ed: O que esperar para o próximo pacote.

Depois de alguns dias parado o blog esta de volta com uma matéria e tanto para vocês.

Mas antes queremos saber: Quem ai esta curioso para saber o que a WotC esta preparando para o próximo pacote do playtest do D&DNext?

Muitos devem estar se perguntando neste momento “Hein? Como assim próximo pacote? Não faz nem dez dias que eles liberaram um novo pacote de testes…”

Verdade!

Mas hoje a tarde o próprio Mike Mearls publicou uma matéria na comunidade oficial do D&D onde ele continuou falando sobre os planos para as classes, principalmente os conjuradores, backgrounds e especialidades. E liberou que o próximo playtest provavelmente abrangera os níveis de personagem do 1 ao 10

Basicamente é dito que o clérigo perde o divinit Chanel e passa a ter novamente o turn undead e os panteões serão simplificados para a principal característica de cada Deus. E essa característica é que dará as habilidades para o clérigo.

Também equilibraram o ladino, que não falhava em praticamente nenhum teste e diminuindo a força das skills de todas as classes.

O mais importante quanto aos invocadores é que tudo indica que eles vão recuar com as ideias do feiticeiro e do bruxo, colocando-os como especializações de mago

A única classe que esta praticamente pronta é o guerreiro

Mas é claro que você deve ter ficado curioso para ler estas informações nas palavras do próprio Mike Mearls. E já sabendo disso nós trouxemos, mais uma vez, a tradução para vocês conferirem e tirarem suas conclusões.

Tradução feita pelo: Giovanni “Zimu” 

Classes 
Primeiramente, estamos recuando um pouco quanto ao bruxo e feiticeiro. Ambas as classes precisam de algum polimento, mas queremos primeiro ver como vão ficar as mudanças que fizemos para o mago e clérigo. Indo nesta direção nos leva para os nossos planos gerais, queremos ter certeza de que as quatro classes – clérigo, guerreiro, ladino e mago – estão bem formuladas. O feedback que recebemos sobre o feiticeiro e bruxo foi muito útil para ajudar a manter o clérigo e mago no caminho certo. Especificamente, as pessoas querem ter certeza de que os conjuradores parecem equilibrados quando comparados uns contra os outros, e eles prefeririam deixar a mecânica de conjuração à nivel de sistema em vez de à nível de classe.

Sendo assim, eu acredito que dando mais opções de magias para clérigo e mago aos DMs  nos dá mais espaço de manobra para fazer o bruxo bem diferente. Há uma chance de que, com base no seu feedback, poderemos introduzir uma categoria de classe global chamado “usuário de magia” que engloba mago, feiticeiro, entre outras. O bom sobre esta abordagem é que podemos criar regras e backgrounds que se referem a “usuários de magia” como um grupo além de permitir que campanhas individuais possam contribuir para a categoria geral do personagem.

Depois de ver o feedback sobre o feiticeiro, eu não ficaria surpreso se nós renomeássemos a classe, mudássemos seu background um pouco, e trouxéssemos uma classe de guerreiro/mago para o núcleo do jogo. Muitas pessoas gostam do feiticeiro, mas várias pessoas comentaram que este conceito tornou dificil a adaptação de feiticeiros existentes. Como nosso objetivo é fazer a conversão mais fácil possível, isso é um argumento poderoso para tratar o conceito que apresentamos como uma nova classe.

O mago receberá tradições, que podem incluir magias “at-will” e magias de assinatura que se recuperam cinco minutos depois de serem lançados. Normalmente, um mago tem apenas uma magia que é um feitiço assinatura e pode recuperar apenas uma conjuração do mesmo. A magia “at-will” e a magia assinatura se ligam à tradição do mago.

Para clérigos, colocamos “turn undead” de volta como uma característica de classe e removemos a “channel divinity”. Em vez disso, você ganha habilidades especiais com base em seu deus. O manuscrito inclui um conjunto genérico de divindades, os arquétipos comuns que aparecem nos panteões diferentes. Por exemplo, o Trapaceiro está em Loki e Olidammara, e concede seus clérigos a capacidade de se tornar invisível por um breve período de tempo, com acesso a mais magias de ilusão do que outros clérigos. Ao invés de um certo tipo de armadura, o Trapaceiro concede treinamento na habilidade “Sneak” e fornece acesso a armas de longo alcance, a “rapier”, e outras armas que dependem de Destreza. Se você jogar um clérigo do Trapaceiro, você provavelmente vai querer usar armaduras leves e agir às escondidas, mas não tentar fazer com que isso seja uma exigência ou limitação. Estes arquétipos de divindades são um ponto de partida, você pode contar que expansões específicas para campanhas darão opções adaptadas às divindades do mundo.

O guerreiro foi muito bem da última vez. Neste momento, estamos focados na criação de um conjunto de opções que permitem alguém jogar como um guerreiro de forma muito simples.

O ladino está recebendo uma maior ênfase nas habilidades. O ladino recebe mais habilidades e continua a ser o melhor em usá-las, apesar de termos simplificado as mecânicas e diminuido a ênfase no sucesso automático. Mestres estavam ficando frustrados que os ladinos não tinham risco real de fracasso. Isso havia distorcido o jogo de formas irritantes.

Também é importante ter em mente que, nesta fase, estamos trabalhando no que eu considero ser uma versão bastante avançado do jogo. O livro de regras do D&D, que é o ponto de partida para novos jogadores e do jogo de escolhido por jogadores veteranos que querem um sistema simplificado, é feito principalmente nesta fase. Este jogo parece muito com o D&D como apresentado no ”D&D Set Basic” ou no “D&D Rules Cyclopedia”. Você escolhe uma raça, escolhe uma classe, e joga. Nós nos esforçamos para ter certeza de que o jogo não só seja  complexo o suficiente para os jogadores veteranos, mas também crie um caminho fácil para os novos jogadores que desejam iniciar no jogo, dominar seus elementos fundamentais, e em seguida, prosseguir como quiserem.

Especialidades e “Backgrounds”

Fizemos algumas pequenas mudanças aqui. “Backgrounds” agora dão quatro habilidades em vez de três, principalmente por termos mudado as habilidades de forma que elas voltem a dar um bônus para uma rolagem, independentemente da habilidade que o jogador está usando. Assim, um DM só pede um teste de habilidade. O jogador adiciona a habilidade ou pergunta ao DM se é adequado. Isto também significa que podemos ter habilidades que estão um pouco mais fracas, mas compensamos lhes dando mais habilidades. Se fizermos tudo certo, habilidades permanecerão como coisas úteis que ajudam a tornar o seu personagem único e interessante.

Especialidades não mudaram muito mecanicamente, mas eles passaram por uma revisão na forma como são apresentadas e o que representam no mundo. Anteriormente, elas estavam no mesmo nível conceitual dos “backgrounds”. Elas tinham nomes que fizeram soar algo como títulos do mundo. Agora, nós as tratamos de uma forma que eu acho que melhor reflete seu nome – especialidades – e papel na criação do personagem.

Uma especialidade é algo que seu personagem tem focado e desenvolvido. Você pode ser um especialista em duas armas, um especialista em “stealth” ou um especialista em investigação. É algo que provavelmente você adicionou como parte de seu “background” ou como parte do treinamento da sua classe. Idealmente, quando você descreve o seu personagem, é algo que outros jogadores podem entender rapidamente, em vez de precisar de maiores explicações. “Duelist” não diz o que seu personagem faz. “Shield Specialist” deixa claro que o seu personagem é bom em defesa e, provavelmente (tomara) carrega um escudo.

Nós gostaríamos de agradecer a todos vocês pelo seu contínuo interesse, fazendo playtests e mandando feedback para o D&D Next. Não vai demorar muito até que o próximo pacote de playtest esteja disponível, e esperamos que vocês continuem a se juntar a nós nos playtests do jogo.

Link da matéria no site da comunidade oficial do D&D

Esperamos que tenham gostado!

Até a próxima!!

Preparem-se! Ai vem a Moonfest

Enfim uma boa noticia para a galera RPGista de plantão. Vem ai o Moonfest, um evento de RPG organizado pela Editora Redbox juntamente com a Moonshadows que vai agitar o próximo final de semana da galera que curte RPG.

Isso mesmo galera, semana que vem! E em virtude do curto espaço de tempo até o dia da realização do evento, estamos ajudando e pedindo que a galera RPGista também ajude a divulgar este evento. Eis ai a declaração oficial da Redbox:

“Organizado pela Redbox Editora e Moonshadows Livraria, o evento que inicialmente apenas visava reunir os jogadores e fãs dos jogos da Redbox foi melhorado e ampliado. Se juntaram ao apoio as sempre presentes Secular Games, Retropunk e Pinnacolo, que viram na Moonfest uma boa oportunidade de nos reunir para celebrar o nosso hobby favorito.

Em sua primeira edição, a Moonfest pretende reunir jogadores de RPG e apresentar um espaço lúdico para jogos e atrações como venda de produtos, palestras e bate-papos informais com as editoras, sempre fomentando o jogo junto aos iniciantes e procurando auxiliar no desenvolvimento e na formação de novos jogos e autores.” 

Então já sabe né… Se você é de São Paulo e curte RPG é claro que não vai querer ficar fora dessa né!!

Anote ai e fica ligado porque o evento já é na semana que vem;

Data: 13 de outubro de 2012 (sábado)
Local: Associação Cultural Mie Kenjin do Brasil (Av. Lins Vasconcelos 3352) 
Horário: 13h às 20h
Ingresso: R$ 15 (comprando o ingresso você ganha um vale compras de R$ 5)
Contato: 11 3266-3916 ou por email redbox@redboxeditora.com.br

REALIZAÇÃO
Redbox Editora e Moonshadows Livraria

APOIO
Secular Games
RetroPunk Game Design
Pinnacolo

 

Ilustração em estilo D&D e medieval para “The Avengers” da Marvel

Essa vai para a galera RPGista que curte ideias bem bacanas para imagens e heróis. Neste caso, os heróis da Marvel.

Vocês já ouviram falar no artista The Durrrrian, da Malásia? Não?

Pois é, mas o cara desenha muito e não faz muito tempo, em um dia normal de aula em que ele estava se sentindo um pouco entediado, ele teve a brilhante ideia de juntar o estilo artístico dos traços do RPG Dungeons e Dragons, o nosso tão querido e famoso D&D, com os heróis da Marvel.

Já imaginou o Hulk retratado como um bárbaro, o Capitão América como um paladino ou a Viúva Negra como uma ladina? Pois é, e o resultado ficou fantástico.

Mas não foi só isso que encontramos de artes legais para os heróis da Marvel. Procurando um pouco mais também encontramos ilustrações do artista Francesco Francavilla que teve outra super ideia, a de retratar os heróis da Marvel, também os Avengers, como heróis da era medieval.

Pelas palavras do próprio artista Francavilla:

“Então eu fiz pela primeira vez, ao menos eu acho que sim, um Hulk druida (uma força celta e primitiva da natureza), o Capitão América (do Novo Mundo), o Thor sendo ele mesmo e um misteriosos desconhecido com uma armadura de luta chamado de Homem de ferro. Juntos eles são Os Vingadores, os primeiros heróis da terra lutando contra o mal e os exércitos de mortos vivos”

Então quer conferir as ilustrações destes dois artistas? Sem problemas, nós colocamos aqui para vocês 😀

Ilustrações do artista Francesco Francavilla:

Ilustrações do artista The Durrrrian:

Esperamos que tenham curtido as imagens!

Até a próxima!

Devir libera prévia de “O Um Anel Aventuras Além do Limiar do Ermo”

Boa noticia para a galera RPGista.

Quem acompanha o blog do M&D provavelmente leu uma matéria onde nós tivemos um bate-papo com a Maria do Carmo Zanini, editora da Devir, que esta diretamente ligada ao projeto de “O Um Anel” onde ela deu maiores detalhes sobre o livro, o sistema e as expectativas para este lançamento.

Quem leu também viu que a previsão inicial para a data de lançamento era para final de setembro ou inicio de outubro.

Pois bem a alguns dias atrás pelo seu Twitter a MC Zanini, como é conhecida, soltou a boa informação de que os dados especiais que acompanham a  edição de luxo de ‘O Um Anel” já haviam chegado e que estavam esperando apenas a formalização da gráfica com relação a data de entrega do livro. Ou seja, o tão esperado dia do lançamento esta cada vez mais próximo.

E para deixar a galera RPGista com agua na boca a Devir liberou recentemente uma prévia das paginas de “O Um Anel” bem como da ficha de personagem colorida e também em preto e branco.

Para quem quiser dar uma conferida ai vão os links

Páginas “O Um Anel”: http://www.devir.com.br/oumanel/downloads/OUA_preview72.pdf

Ficha de personagem colorida: http://www.devir.com.br/oumanel/downloads/OUA_Ficha_Cor_baixa.pdf

Ficha de personagem preto e branco: http://www.devir.com.br/oumanel/downloads/OUA_Ficha_PB_baixa.pdf

Apenas para relembrar, o preço de capa para O Um Anel: Aventuras além do Limiar do Ermo sera de R$165,00 e por este valor o aventureiro irá levar para casa o vencedor Ouro 2012 do prêmio ENnie de melhor arte interna, contendo:

• Livro do Aventureiro, com 192 págs. em cores, ricamente ilustrado

• Livro do Mestre, com 144 págs. em cores, ricamente ilustrado

• 2 mapas das Terras Ermas, a região da Terra-média visitada por Bilbo Bolseiro em O hobbit

• Brinde: 7 dados personalizados (sendo que um deles é um d12 que gera números aleatórios de 1 a 10, mais a runa de Gandalf e o Olho de Sauron)

Alias, muito curiosos fizemos uma busca na net para dar uma conferida em como provavelmente serão estes dados e colocamos aqui para vocês a imagem

Não são mesmo boas noticias?

Até a próxima!!

Oficial: RPGCON 2012 foi cancelada

Pois é pessoal. Talvez tenha feito falta um prazo maior, mas a verdade é que embora muitos tenham se esforçado e mobilizado para divulgar o evento, todo esforço feito infelizmente não foi o suficiente para garantir a realização da RPGCON 2012.

O projeto para o evento corria em financiamento coletivo onde o objetivo era arrecadar uma quantia equivalente a 30.000 reais. E há alguns dias atrás chegou a ser anunciado pelo Twitter que o evento seria organizado independente do que fosse arrecadado pelo financiamento.

Mas com um curto período para a arrecadação deste valor a meta não foi atingida e hoje Wallace Garradini um dos organizadores da RPGCON, voltou atrás em sua declaração fazendo um comunicado oficial onde informava o cancelamento do evento.

Nós do M&D lamentamos o fato, pois como muitos que ajudaram divulgando acreditávamos que este evento só tinha a acrescentar ao mundo do RPG.

Mas enfim, leia o comunicado feito hoje:

Caros Amigos RPGistas,

É com muito pesar que venho aqui para dizer que não teremos uma RPGcon em 2012.

Eu e o D3 tentamos. Tentamos de todas as formas viabilizar o evento esse ano, com o mesmo sacrifício e amor ao hobby que tivemos nos anos anteriores. Mas dessa vez não foi possível.

Somam-se às dificuldades costumeiras (falta de patrocínio, falta de apoio da indústria do RPG), alguns problemas pessoais meus e dele e realmente ficou complicado conseguir os recursos financeiros disponíveis para fazer acontecer, esse ano.

Nos últimos minutos desse jogo, nós tentamos pedir ajuda para a comunidade através de um financiamento coletivo no Movere.me, e agradeço profundamente a todos os bravos 107 guerreiros que compraram essa briga com a gente.

Mas nós vacilamos com o timing para esse pedido e o período do financiamento foi curto demais para alcançar o montante necessário.

Foi comovente ver diversos blogs publicando vídeos de apoio, encabeçados pela iniciativa do Daniel de Sant`anna. Amigos antigos como o Marcelo Cassaro doar raridades do seu acervo pessoal para ajudar no nosso sonho e novos como o Ale, da RPGVale correr atrás de empresas para patrocinar o evento.

Agradeço demais ao pessoal da Secular Games, da RedBox e da Retropunk, companheiros que fizeram todo o possível pra ajudar a mim e ao Douglas em toda essa batalha.

Agradeço também a todos os outros amigos e anônimos, que no Twitter, nos sites, nas listas, fizeram tudo o que podiam pra espalhar o nosso esforço.

Meus mais sinceros sentimentos a todos vocês. Mesmo.

Mas a verdade é que o RPGcon chegaria ao quarto ano, com uma perspectiva muito ruim de retorno financeiro. Pouquíssimas empresas haviam confirmado presença com estandes, outras simplesmente não cumpriram com o prometido e algumas não pagaram dívidas conosco de anos anteriores.

Nós dois acumulamos prejuízos operacionais desde o primeiro ano, cedendo muito espaço gratuito para associações, grupos e empresas, acreditando que juntos aumentaríamos o bolo e teríamos mais para repartir. Esse sempre foi o nosso sonho: Construir um ambiente onde todos tivessem espaço pra crescer e nos ajudar a crescer. Uma parceria ganha-ganha.

Mas o tempo vai passando, e a coisa não se torna realidade. Ano após ano, a gente vai acumulando prejuízos, vamos revendo os custos e a estrutura, pra poder fazer o evento dentro do orçamento apertado que podemos arcar. Mas a verdade é que nós dois sozinhos não temos recursos para financiar um evento caro como este e sem a ajuda da indústria, que não vê no evento, um ambiente tão interessante como acreditamos que é, fica impossível sustentar esse cenário.

Muitos amigos dizem que falhamos na divulgação, que falhamos no planejamento, que falhamos até em usar melhor a comunidade a nosso favor. Talvez estejamos falhando realmente nesses pontos todos. Talvez tudo se resuma a abordagem que demos ao evento. Fica realmente difícil identificar o real motivo, quando falta o que é o principal: Dinheiro pra pagar os custos.

Fica aqui a alegria de termos criado um espaço que permitiu o surgimento e crescimento de novas editoras como a RedBox, a Retropunk, a Secular Games e a Coisinha Verde. Fica aqui a satisfação de termos, de alguma forma, contribuído nessa retomada do RPG nacional e fortalecido elos de amizade.

Pedimos desculpas a todos que estão decepcionados com essa triste notícia aos 48 minutos do segundo tempo. Nós também estamos, acreditem.

Obrigado a todos que estiveram presente nos três anos do RPGcon e esperamos encontrar com todos vocês em futuras aventuras.

Wallace Garradini

 

 

 

Lançamento livro-jogo: Last RPG Fantasy… Entrevista com os criadores

Então galera, aproveitando a proximidade com o dia das crianças eu resolvi dar uma vasculhada na net a procura de material rpgistico que fosse produzido especificamente visando este publico alvo: as crianças e os jovens.

Afinal jogos com temas e regras mais simples seria um ótimo recurso para iniciar a galera mais jovem no mundo do RPG. Mas devo confessar que, infelizmente, encontrei pouca coisa sobre isso, e o que vi sendo comercializado já foi publicado a algum tempinho.

Como alternativa a esta situação eu encontrei os livros-jogos, que também podem ser considerados muito bons para despertar na galerinha mais nova o interesse por jogos de narrativa. Pois neste tipo de livro a história narrada é guiada pelo leitor quando ao final de uma cena ele é levado a fazer uma escolha, ao menos entre duas opções, sendo conduzido com isso a uma determinada pagina ou outra do livro.

O livro-jogo pode não ser um RPG, mas tem as premissas de um.

E foi justamente pesquisando mais sobre livros-jogos que me deparei com um projeto muito legal dos rapazes do site do Lobo Limão (www.lobolimao.com.br), o Last RPG Fantasy.

O site é tocado pelos designers Felipe Saito, Yoshi Itiche e o Marcel Mori e produz tirinhas muito bacanas que, se você gosta de quadrinhos, vale a pena dar um pulinho lá para conferir. Dentre essas tirinhas a de destaque, por ser interativa, é a do Last RPG Fantasy que eles tiveram a ideia de transformar em um livro-jogo.

E percebendo que esta era uma boa oportunidade de divulgar uma iniciativa nacional muito bacana resolvi entrar em contato com os rapazes do site, que muito gentilmente me concederam uma entrevista onde contam um pouco da historia do inicio do site e do projeto do Last RPG Fantasy que já se encontra em fase de pré-venda e que será oficialmente lançado dia 25 de Outubro de 2012 durante a GibiCon, em Curitiba – PR.

Vamos à entrevista?                

Para facilitar

Perguntas =  M&D (preto)

Respostas = LoboLimão (verde)

(M&D) Como vocês três se conheceram? 

 (LoboLimão) Eu (Felipe Saito) e o Yoshi nos conhecemos quando estudávamos japonês em um curso aqui de Curitiba. Tínhamos uns 14, 15 anos, e sempre fazíamos piadinhas e desenhávamos durante as aulas. Foi naquela época que surgiu o “Batsuman”.

O Keiichi estudou com o Yoshi na faculdade, no curso de Design Gráfico da UFPR.

 (M&D) Como surgiu a ideia de criar o Lobo Limão? 

 (LoboLimão) Tudo começou com uma ideia do Yoshi, nas palavras dele:

 “–Eu sempre gostei de escrever e desenhar quadrinhos. Desde meus 10 anos venho tentando criar séries ou histórias que passassem da primeira edição e que extraíssem elogios de mais pessoas além da minha própria mãe. Então, pela primeira vez, estou tentando transformar esse desejo em algo um pouco mais sério. Criar um projeto com o qual eu realmente fosse me comprometer. Foi aí que surgiu o LoboLimão!”

O Yoshi nos ligou e convidou para uma reunião para contar suas ideias de projetos, éramos em mais integrantes, mas depois de 2 anos ficamos só nós três.

Clique para ampliar

Tirinhas Batsuman que estão no site

(M&D) Qual foi a primeira tirinha?

(LoboLimão) Antes de começarmos com o Estúdio o Yoshi já publicava em um blog próprio, e o personagem do “Bastuman” já estava bem desenvolvido. Então no dia 28 de Junho de 2010 ele passou a ser publicado no site do LoboLimão.

(M&D) E especificamente sabendo que se aventurar por esses caminhos pode ser difícil, como foi o inicio do Lobo Limão?

(LoboLimão) O difícil é ser levado a sério… Sempre aparece aquele vizinho, ou aquela tia perguntando quando vamos arranjar uma profissão ou ter uma carreira. O gratificante é trabalhar com o que gostamos assim o ânimo está sempre alto, ninguém reclama em acordar cedo para ir para estúdio (exceto na segunda-feira…).

O mercado brasileiro para histórias em quadrinhos está em expansão, o problema dessa expansão é que muita coisa vem de fora. Com exceção das produções dos estúdios Maurício de Souza, o público em geral não está familiarizado com conteúdo nacional e acha que além da Mônica só existem charges em jornais. Mas muito conteúdo nacional de qualidade está sendo comercializado hoje, só falta mais divulgação e valorização do trabalho destes artistas.

No início não tínhamos um espaço físico, cada um upava o conteúdo de casa. No início de 2011 o pai do Keiichi cedeu uma sala para utilizarmos como estúdio. Então juntamos nossos computadores, livros, materiais, e fizemos um mini-escritório. Fazem apenas 2 anos que o site está no ar, então podemos dizer que ainda estamos no início.

(M&D) O Last RPG Fantasy é a primeira publicação de vocês?

(LoboLimão) Em 2011 publicamos o fanzine “Dino Hunterz #01″ que conta a história de um jovem que acorda em meio a uma cidade dominada por dinossauros sem saber o motivo. A ambientação se passava em Curitiba, e o teaser está disponível no site na parte de one-shots

Essa publicação teve baixa tiragem e foi distribuída no FIQ em Belo Horizonte no ano passado. Os exemplares que ficaram à venda pela LoboStore esgotaram rapidamente. 

Produtos

Já no início de 2012 começamos a produzir o Livro-Jogo Last RPG Fantasy, que terá uma tiragem muito maior (1.000 unidades) e será

no formato livro, com 136 páginas coloridas. É um projeto bem mais ambicioso do que um fanzine, será lançado durante a GibiCon #01 em Curitiba e esperamos distribuí-lo nas grandes redes de livrarias do país.

O projeto está sendo produzido via financiamento coletivo e além do Livro-Jogo trará produtos da série, como camisetas, canecas e adesivos. 

O Livro conta a história de três irmãos aventureiros, que partem em busca dos cristais mágicos para salvar o reino de Midgreen. A história é recheada de elementos dos tradicionais jogos de rpg japoneses misturada com a narrativa dos livros-jogos onde o leitor decide o rumo da história. O primeiro capítulo está disponível no site: e você ainda pode garantir seu exemplar pelo preço de Pré-venda.

(M&D) Last Rpg Fantasy… Dê onde surgiu a ideia para esta tirinha? Algum de vocês joga RPG?

(LoboLimão) Na verdade não temos costume de jogar RPG de mesa, só os de vídeo game mesmo. A primeira série de tirinhas foi baseada numa brincadeira do tempo da faculdade. Nessa série cada tira era escrita e desenhada por um autor diferente, o que tornava a coisa toda bem colaborativa e imprevisível. Porém, quando colocamos no site tivemos problemas com prazos e um público que tivesse “coragem” de participar. A maioria das pessoas dizia que desenhava mal e ficava com vergonha. Então reformulamos a série tomando como base os livro-jogos. Assim os leitores passaram a participar votando toda semana.

(M&D) Porque o  Last Rpg Fantasy foi o escolhido para ser publicado?

(LoboLimão) Graças ao sistema de votação, o Last RPG Fantasy é a série que recebe mais comentários e tem a melhor aceitação do público. Buscávamos um diferencial em nossas publicações, e acreditamos que o leitor interagindo com a história seria um elemento a mais  em uma HQ. Então a combinação de “feedbacks” com o fator de escolha nos deu o caminho a seguir.   

(M&D) Quando iniciou esse projeto vocês tinham em mente algum publico alvo em especifico, como infantil ou rpgistico?

(LoboLimão) O público alvo do LoboLimão e também do livro são pessoas jovens que gostam de quadrinhos, games, animações e também RPG. Falando mais especificamente no livro do Last RPG Fantasy, ele entra na categoria infanto-juvenil. Ele não possui uma trama muito densa, mas também não é tão infantil. Sobre RPG, acredito a série tenha muito mais elementos familiares aos RPGistas do que no livro, pois queríamos explorar um público maior.

Last RPG Fantasy... Clique para ampliar

Last RPG Fantasy. Clique para ampliar

(M&D) Poderia explicar melhor, para quem não conhece como funciona, esta parte de “o leitor decide o rumo da historia”?

(LoboLimão) Nestes Livros-jogos o leitor interage com os personagens decidindo o caminho e/ou as ações a serem tomadas. Por exemplo, ao final de determinadas páginas existem opções como “seguir o caminho da direita, vá para a página 20” ou “subir no telhado, vá para a página 45” ou “enfrentar os inimigos, siga para a página 18”, fazendo com que a história tome rumos diferentes de acordo com a opção escolhida.

(M&D) O livro contém 136 páginas divididas em quantos capitulos?

(LoboLimão) 136 páginas coloridas, que compreendem 6 capítulos e mais alguns materiais extras.

(M&D) Como esta sendo a expectativa de vocês para o lançamento do  Last Rpg Fantasy?

(LoboLimão) Estamos ansiosos e preocupados ao mesmo tempo. Grande parte dos produtos de apoio já estão prontos, e o livro já está quase indo para impressão. Mas dependemos muito do serviço dos correios quanto à documentos e envios das recompensas para os apoiadores.

(M&D) Bom agora uma duvida: Tiragem de 1000 exemplares. Caso essa quantidade se esgote existe a possibilidade de adquiri-lo mesmo assim, como por exemplo, em formato pdf?

(LoboLimão) Já nos perguntaram isso, e não achamos este formato adequado, pois como a leitura das páginas não é sequencial dificulta o acompanhamento através de um arquivo. O ideal seria um arquivo clicável em flash, o qual estamos avaliando a possibilidade.

(M&D) Uma última pergunta:

Sobre o Dino Hunterz #01… Quem tiver interesse ainda tem como adquiri-lo?

(LoboLimão) Não temos mais nenhum exemplar disponível, mas temos planos de fazer uma segunda tiragem em 2013. 

 Gostaria de agradecer mais uma vez a equipe do LoboLimão por ter cedido um pouco de seu tempo para responder a estas perguntas.

Essa iniciativa dos rapazes de Curitiba é ou não bem legal?

Já sabe né, se você curte quadrinhos e tem a possibilidade de ir até Curitiba dê uma passada na GibiCon que irá acontecer dia 25 de Outubro e confira pessoalmente o trabalho do pessoal do LoboLimão

Ah, e se você conhece algum material legal sobre RPG e que seja voltado para galera mais jovem, seja livro-jogo ou RPG, deixe um post e conte para a gente qual a sua indicação.

Até a próxima!

D&D Next a todo vapor! – Parte 2

E então galera, aproveitando as ultimas postagens do blog onde traduzimos algumas informações colocadas na comunidade oficial do D&D chegou hora a hora de darmos continuidade ao nosso especial sobre D&DNext.

Como havíamos prometido na matéria anterior, dessa vez vamos olhar um pouco mais de perto as particularidades do Clérigo, do Guerreiro e do Ladino na sua nova encarnação:

Vamos lá!

A nova cara das Classes:

A primeira das seis classes que foram reveladas até agora é a do Clérigo (Cleric).

Esta é uma das classes que estão presentes desde os primórdios do jogo e não poderia deixar de fazer sua aparição aqui também. O clérigo mantêm sua identidade, trazendo alento a companheiros feridos e passando julgamento a monstros corrompidos, abatendo-os com o poder divino conferidos pelos próprios Deuses. E Para tanto, o sistema de magia do clérigo volta as origens.

Jogadores da terceira edição serão surpreendidos com tabela de magias por dia e lista de magias preparadas. Muitos jogadores tem a mesma reação inicial: é a volta dos conjuradores de primeiro nível com bestas de mão? Nem de longe! Os Clérigos agora contam com a primeira grande novidade da quinta edição: os Orisons, que dessa vez serão familiares para os jogadores da quarta edição.

Os Orisons são magias “At-Will”, ou seja, versões mais fracas das magias de primeiro nível mais que podem ser conjuradas sem limites e isso permite que o Clérigo sempre tenha a sua disposição uma cura ou proteção, ou mesmo uma magia ofensiva por mais difícil que esteja a situação.

Mas os Clérigos ainda tem muitas novidades para serem contadas. Por exemplo, assim como o clérigo da terceira edição, o novo clérigo possui uma nova versão da habilidade “Channel divinity” que permite a ele escolher um alvo próximo e desencadear um efeito que pode curar criaturas vivas ou causar dano em mortos-vivos. Essa é uma habilidade que escala em usos e potencia conforme o clérigo passa de nível, se mostrando sempre relevante.

Além disso, agora os clérigos passam a receber muito mais de seus Deuses. Eles agora possuem acesso a um Domínio associado a seu Deus de escolha que, além de prover uma lista de magias que não ocupam espaço como era na terceira edição, também confere diversas opções únicas conforme o clérigo evolui.

Dois domínios já são conhecidos para os jogadores. O primeiro deles, o domínio do Sol, permite ao clérigo usar armaduras leves, garantindo uma proteção extra, e lhe confere o Orison “radiant lance” que é uma magia ofensiva que eleva o total de Orisons possíveis no primeiro nível para dois. Já o segundo domínio, o domínio da Guerra, coloca o clérigo na linha de frente, conferindo acesso a todas as armaduras, escudos e até mesmo armas marciais. Não há duvidas que ao longo deste ano ainda veremos muitas novas opções para que os futuros clérigos possam realmente trazer o poder de sua divindade para a mesa de jogo.

Seguindo a lista, nos deparamos com um Guerreiro (Fighter) como a muito tempo não se via.

Uma classe simples de se usar, porem com um imenso potencial para os que querem se aprofundar nas suas complexidades. Os jogadores das versões mais antigas irão reconhecer de imediato a classe com sua proficiência em tudo que é feito de ferro e seus bônus de combate superiores a todas as outras classes. Afinal esta é uma classe focada em se sobressair no campo de batalha, deixando a exploração e a interação social para outras partes da ficha.

Então o guerreiro volta a ser o saco de talentos das antigas?

Nem de longe! O Guerreiro agora conta com uma mecânica exclusiva que vai mudar inteiramente o jogo. Essa mecânica será dividida em Superioridade de Combate (Combat Superiority) e o Estilo de Luta (Fighting Style).
A Superioridade de combate lembra um pouco a Marca do Ranger na quarta edição: um dado que o jogador pode aplicar ao dano de um único ataque toda rodada, dado que ia crescendo conforme o personagem evoluia. Aqui temos algumas diferenças. primeiro, o dado do guerreiro evolui bem mais rápido e não só no tipo de dado (d6 para d8 e etc) mais também em quantidade! Exemplificando: um guerreiro de quinto nivel tem 2d8 para gastar toda rodada, podendo aplicar os dados separadamente.

A segunda diferença é que os dados não são restritos a dano. Além da manobra “ataque mortal” (deadly strike) que aplica o resultado da jogada no dano, um guerreiro de primeiro nível pode aplicar esses dados em outra manobra chamada “Aparar” (Parry) para reagir contra um ataque inimigo. O guerreiro rola os dados e reduz o resultado da rolagem do dano. Só aqui é possível ver como o guerreiro poderia facilmente se tornar o atacante ou defensor principal de um grupo.

E o Estilo de Luta? E a resposta é: mais manobras!

Tomando um pouco a filosofia da quarta edição, o jogador conta com diversos “kits” que vão armar o guerreiro com manobras variadas semelhantes a powers que complementam o seu estilo de luta.

Quer ser um arqueiro? Você recebe manobras para poder se movimentar e atacar sem receber ataques de oportunidade, bem como ataques devastadores.

Quer ser um defensor? Você recebe habilidades para reduzir dano direcionado a aliados, bem como diversas manobras para nocautear e empurrar os oponentes. tenha em mente que algumas manobras são ataques, mais outras se integram a outros ataques. um defensor poderia combinar um dado extra de dano com um dado para nocautear um oponente. Pode se notar como o guerreiro será maleável, dependendo somente do kit para mudar completamente o estilo de jogo.

Por ultimo, mas não menos importante, temos o Ladino (Rogue).

Na primeira parte comentamos a nova mecânica para usar furtividade no D&D Next, e aqui ela entra de forma crucial. Uma vez por rodada, o ladino de primeiro nível recebe 2d6 de dano extra em um ataque, o clássico ataque furtivo (sneak attack). A condição é que ele tenha vantagem contra o oponente, o que a furtividade fornece imediatamente. Mais todas as encarnações do ladino tinham isso, e o que temos de novo? Temos três novidades aqui:

A primeira novidade recebeu o nome de “Thieves Cant” que nada mais é do que uma linguagem de sinais exclusiva dos ladinos, que se mistura com gestos normais de uma conversa, fazendo com que o ladino possa conversar sobre o tempo com a voz para ocultar uma conversa sobre as joias da duquesa com as mãos. muito potencial para usos criativos, bem como oportunidades interessantes em interações sociais. imagine blefar ou fazer diplomacia com linguagem de sinais, enquanto se cobre a conversa com um papo sobre os atributos da mesma duquesa?

A segunda novidade já é bem mais focada em uso de pericias, o clássico domínio do ladino. Chamada de Maestria de pericia (Skill Mastery), ela garante que o bônus de habilidade usado na rolagem de pericia garanta um bônus mínimo de +3, qualquer que seja o atributo usado. Alem disso o ladino pode “escolher” tirar 10, tomando um tempo um pouco maior do que o normal, em qualquer rolagem de pericia! Isso mesmo, o mínimo que um ladino com um pouco de tempo disponível rolaria em qualquer pericia é de 13. Mais do que isso, essa habilidade evolui com os níveis. Exemplificando, um ladino nível 5 pode escolher tirar 11 em vez de 10.

A terceira e maior habilidade se assemelha com o estilo de combate do guerreiro, e se chama “Rougue Scheme”. O ladino deve inicialmente escolher um “kit” que garante a ele o background com o mesmo nome, conferindo dois backgrounds e habilidades especiais únicas em certos níveis. Atualmente, temos noticias de dois desses kits: o Thief e o Thug.

O Thief reforça uma abordagem sutil, permitindo ao ladino usar furtividade mesmo em sombras fracas, enxergar no escuro e até mesmo adicionar um extra de movimentação depois de um ataque furtivo de forma que o ladino possa usar o clássico bater-e-correr, ideal contra aquele ogro de 3 metros.

Já o Thug manda a cautela para longe. Ele não pode ser pego em emboscadas, podendo agir no turno de surpresa caso ele não esteja impossibilitado de tomar uma ação. Alem disso, em vez de se esconder, o Thug parte para cima do oponente, podendo usar o ataque de furtividade sempre que ele e mais dois aliados estejam ao alcance do mesmo oponente. Por fim, qualquer ladino de respeito consegue sair de uma situação de apuros. Para isso, o Thug recebe vantagem em um teste qualquer duas vezes por dia. Essa também é uma das habilidades que cresce junto com o nível, chegando a conferir vantagem em um teste 4 vezes ao dia para um ladino de nono nível.

Interessados em qualquer uma das classes acima devem se lembrar que esses são somente algumas das habilidades disponíveis atualmente. Esperamos que para o lançamento tenhamos muitos outros domínios para o clérigo, muitos outros estilos de combate para os guerreiros e vários Schemes para o ladino, permitindo a essas classes primordiais seu espaço na nova iteração do D&D Next.

Fiquem ligados aqui no Blog do Masmorras & Dragões para a terceira parte da nossa série da Quinta Edição, onde olharemos um pouco para as particularidades das artes arcanas com o Mago (Wizzard), o Bruxo (Warlock) e o Feiticeiro (Sorcerer).

%d blogueiros gostam disto: