Para salvar o mundo, Marvel Heroic RPG

Hulk? Capitão América? Homem de ferro? Wolverine? Qual o seu herói Marvel favorito?

Vamos, escolha um deles e prepare-se para uma aventura onde lhe poderá ser dado poderes para esmagar, voar, regenerar, queimar, e isso graças ao Marvel Heroic Roleplaying basic game, o RPG da Margaret Weis Productions LTD que na premiação do ENnies Awards deste ano faturou a prata por “produto do ano” e ouro por “melhores regras”.

Vamos entender então, de uma forma simplificada, o que levou o MH a ganhar esses prêmios…

Lançado, se não me engano, em fevereiro deste ano, o MH é um livro colorido contendo 228 páginas que são divididas em três sessões, onde cada sessão tem uma cor de borda de pagina para facilitar que o jogador encontre uma determinada informação de forma mais rápida, e são elas:

– Operations manual (manual de operações) com cerca de 125 paginas onde as regras do jogo são explicadas.  No MH RPG o mestre é chamado de Watcher (observador ou vigilante) e aqui também você percebe que o jogo foi pensado de forma à narração assemelhar-se ao máximo com as HQs da Marvel, não no que diz respeito ao universo Marvel em si, mas nas histórias do universo Marvel.

É nesta parte também, em uma das primeiras folhas do livro, que se tem a primeira explicação sobre a ficha do personagem, como ela funciona e como monta-la.

Basicamente a ficha é dividida em duas páginas, onde em uma ficam as informações propriamente estatísticas do seu personagem e na segunda é detalhado o histórico, a personalidade e como isso influencia a vida dele e que também vai lhe ajudar na hora de interpretar seu papel.

Com relação às estatísticas quatro itens tem destaque:

– As afiliações: Que são basicamente como o seu personagem vai interagir com os outros participantes da mesa, mostrando se ele trabalha melhor de forma solo, em dupla ou fazendo parte de uma equipe e para cada caso desses tem uma pontuação especifica.

– As distinções: Que são traços de personalidade, características marcantes, como por exemplo, uma frase de efeito tipo a do Hulk, com o “Hulk esmaga”. E o legal desta distinção na mecânica do jogo é que se esse traço marcante puder ser usado a seu favor em uma ação ele acrescenta 1d8 a parada de dados… Porém se este mesmo traço marcante for contra você ai neste caso rola-se 1d4 + 1 ponto de trama (O que é trama? Calma, ainda vamos falar sobre isso)

– O conjunto de poderes: Que geralmente são dois. Não dois poderes especificamente, mas dois conjuntos, uma vez que cada poder traz consigo algumas características próprias como por exemplo Super Força, Transmutação, Telepatia, além de seus respectivos SFX que são como “efeitos especiais” e limites que são as condições em que ocorre falha desses poderes

– E as especialidades: Que são as habilidades que cada personagem irá dominar. Neste caso o personagem pode ser especialista em algo o que acrescenta 1d8 ou mestre o que acrescenta 1d10.

Outro item da ficha que não podemos deixar de comentar são os milestones que são os marcos da vida do personagem. Os seu objetivo, o que ele precisa fazer para ganhar XP… E com o decorrer do jogo esses XPs ganhos vão liberando coisas novas, novas habilidades.

Bom, a segunda sessão é a Breakout (mini evento) que é uma história introdutória baseada no arco Motim, de Brian Michael Bendis, para reunir os novos Vingadores numa fuga em massa de vilões de uma prisão conhecida como Balsa e que é uma boa opção de aventura para os jogadores novatos.

E por fim a terceira sessão que contém o Heroes data files (arquivos de dados dos heróis) com 23 heróis prontos para serem usados, dentre eles alguns  x-men, os vingadores e o quarteto fantástico além de um ou outro herói avulso.

O sistema de jogo:

O MH RPG baseia-se no sistema Cortex plus que pertence a própria editora Margaret Weis, e são usados os dados d4, d6, d8, d10 e d12 no jogo.

O sucesso ou fracasso das ações de seu personagem serão definidos com paradas de dados que se baseiam nas características do personagem além de qualquer outra ação específica como, por exemplo, ajudar um companheiro de equipe a superar algum obstáculo.

Jogam-se os dados, os dois de maiores valores são somados e comparados com a parada de dados do Watcher e se nesse caso o valor obtido pelo seu personagem for maior, ele terá sucesso em sua ação. O terceiro dado de maior valor define o grau de sucesso conseguido.

E um dos pontos principais da mecânica deste jogo se baseia nos Plot points e Doom Pool.

Plot points, são os pontos de trama (eu não disse que ainda iria falar sobre isso). E podem ser usados pelos jogadores para fazer coisas como aumentar um poder de ataque, um dano ou mesmo para adquirir novas habilidades .

Em contra partida o Watcher possui o Doom Pool que funciona de forma semelhante aos pontos de trama onde ele pode proporcionar ao mestre separar o grupo, reforçar um ataque ou mesmo mudar a ordem de iniciativa da cena, uma vez que é o jogador da vez que escolhe quem será o próximo jogador que o sucederá e assim por diante até chegar ao último que também escolherá quem iniciará a próxima rodada. Neste caso o Watcher pode gastar um dado de seu Doom Pool para interromper essa ordem de iniciativa e surpreender os personagens.

Outra coisa que chama atenção neste sistema é que ele usa uma mecânica de “oportunidades”, que surge sempre que alguém tira 1 no dado, neste caso este valor não pode ser usado no resultado final,  mas quando se tira um 1, o jogador ganha um plot point e o watcher adiciona um novo dado ao doom pool. Ou seja, quanto mais 1 os jogadores tiram, mais doom pools o watcher tem para gastar criando problemas aos seus personagens.

Então, esses são os pontos que mais se destacam neste RPG ganhador de dois quesitos do ENnies Awards. Parece interessante? Você pode decidir agora ou esperar pela continuação desta matéria. Ah sim, ela terá uma continuação, afinal em julho deste ano foi lançado seu primeiro suplemento o Marvel Heroic Roleplaying: Civil War.

Numa galaxia muito, muito distante… Informações sobre Star Wars: Edge of the Empire

Há alguns dias atrás, em um post aqui no blog, informamos que a editora Fantasy Flight havia anunciado o inicio da fase de teste do novo RPG de Star Wars: Edge of the Empire durante a Gen Con 2012, e que este primeiro livro de três, que abordam o período de luta entre a aliança rebelde e o império, tem foco nos personagens marginalizados da trama como os caçadores de recompensa e os contrabandistas.

Então, já se passaram alguns dias desde que o anuncio foi feito e começam a surgir informações dos RPGistas que estão tendo esse primeiro contato com a fase de testes deste novo RPG

Ficou curioso?? Nós também… Por isso mesmo fomos atrás dessas informações e vamos colocar aqui um breve resumo do que esta sendo falado sobre este assunto lá fora.

A long time ago in a galaxy far, far away…

A primeira coisa que percebemos de diferente no jogo são os dados, que devem ser customizados com adesivos que foram fornecidos junto com a versão Beta do jogo. São sete cores diferentes e cada cor significa, por exemplo, um tipo de morte e alguns são opostos a outros … Vamos explicar melhor:

Cartela de adesivos para customização dos dados

Branco – Force Dice – Geram o “Destiny pool “, um dos truques do RPG, que são uma espécie de pontos de força de edições mais antigas e eles também são usados quando se manifestam poderes da força.

Vermelho – Challenge Dice – São usados para se opor a outros jogadores

Amarelo – Proficiency Dice – Relativo ao talento natural do personagem (quando apresenta pontos que regem este talento) e devem ser usados na realização de ações

(Challenge Dice e Proficiency Dice são dados opostos)

Verde – Ability Dice – Vinculado as habilidade e também são usados na realização de ações

Roxo – Difficulty Dice – Eles representam o desafio de realizar algo. Dois dados é a dificuldade “média”

(Ability Dice e Difficulty Dice são dados opostos)

Azul – Boost Dice- Dados de impulsividade são jogados quando, por exemplo, existem circunstâncias favoráveis a um personagem

Preto – Setback Dice – Dados de revés, são jogados quando as circunstâncias são desfavoráveis ou com efeito fornecer uma penalidade, por exemplo

(Boost Dice e Setback Dice são dados opostos)

E como puderam perceber os dados não utilizam números mas símbolos. E cada símbolo tem seu significado, vamos lá:

Os círculos são pontos da força

 “Sucessos”. Quanto mais desses você rolar num ataque, melhor

“falhas”, nem preciso dizer que quanto menos destes melhor, né?

 “Vantagens” Pode ser gasto para fazer coisas extras, como atingir um “critico” ou melhorar seu sucesso

 “Ameaças”. Quanto menos você tira-los, melhor. Podem ser usados para te deixar sem munição, por exemplo.

 “Triunfo”. Ela só aparece no dado de Proficiência. Pense neles como um “20” no d20, contam como sucesso e te permite fazer coisas espetaculares.

 “Desespero”.  Varias coisas podem acontecer quando se rolam estes dados, e todas elas são ruins, mas felizmente eles só aparecem nos dados de desafio , que, dependendo, não são usados com muita frequência.

O jogo

Você tem a sua disposição oito raças que são Bothans, Droids (classe IV), Gands, Humanos, Rodians, Transdoshans, Twi’leks e Wookiees. Bom, e cada raça tem uma quantidade de danos diferentes, por exemplo os Wookiees são mais difíceis de se bater mas são mais fáceis de se atordoar.

Depois de definir sua raça você deve escolher uma carreira entre seis e depois uma especialização (entre três) referente a carreira escolhida.

Cada carreira dará uma lista de oito “habilidades profissionais” das quais 4 serão escolhidas para serem desenvolvidas e por sua vez a especialização concede mais quatro habilidades profissionais, bem como um posto de treinamento em duas dessas habilidades (pode haver sobreposição entre a carreira ampla e especialização). Cada especialização está associada a uma árvore de talentos, que contém 20 habilidades especiais – o personagem não recebe nenhum talento de graça, mas pode comprá-los mais tarde.

As seis carreiras e suas especializações associadas são

Caçador de recompensa (Inventor, assassino, Survivalist)

Colono (Doutor, Politico, estudioso)

Explorador (Fringer, escoteiro, comerciante)

Assassino contratado (Guarda-costas, saqueador, mercenario)

Contrabandista (piloto, canalha, ladrão)

Técnico (Mecânica, Outlaw Tech, Slicer).

Há muitos talentos e um bom número de competências no jogo. E a força também esta presente aqui, porém de forma limitada. Os aspirantes a jedi (isso mesmo, nem sequer como padwans eles podem ser considerados) terão que esperar pelo force and Destiny.

No entanto você pode escolher a especialização Exile Force (que sempre conta como uma especialização” fora-de-carreira”) Ele não concede bônus de habilidades, mas dá-lhe  Force Rating 1. Além da árvore de talentos, ter uma Force Rating permite a um personagem comprar poderes relativos a força (sentido, mover objetos..). Mas é claro que isto tudo é limitado a quase nível de truque e prepare-se, porque se alguém descobrir que você sabe usar a força, todo o império ira caça-lo

Há também uma lista de equipamentos de sobrevivência e também uma de veículos/nave estelar, e alguns Droids. Cada equipamento tem um determinado valor de “raridade” (o que afeta a dificuldade do teste para encontrá-lo), e alguns são limitados, se você estiver indo adquiri-los no mercado legal. Há uma série de armas convencionais, e que são também bastante personalizáveis.

As regras para o combate, como na maioria dos RPGs, são mais detalhadas, embora sejam simples

Ataques são baseados em testes simples de perícia (há muito mais usos específicos para vantagens, como ativação de acertos críticos ou qualidades de armas, por exemplo)

Armadura pode aumentar a dificuldade de um tiro e/ou absorver danos.

Personagens ficam em apuros quando suas feridas atingem um grau alto (normalmente 10 + Brawn), que é quando a incapacitação e lesões criticas começam a aparecer, neste caso eles devem se retirar do combate até a cura.

Os combates por meio de veículos (Starship Combate)  é baseado na mesma dinâmica do combate pessoal, mas com complexidades extras, uma vez que leva em consideração, por exemplo, o tamanho, velocidade, manobras que podem ser realizadas por cada tipo de veiculo/nave

Pode não parecer muito, mas lembre-se que esta são apenas as primeiras informações do  primeiro contato que os RPGistas estão tendo com este jogo. Ainda não existe um “consenso” ou mesmo uma opinião definida sobre o fato deste RPG ser bom ou não, quais seus pontos fortes ou fracos, enfim… O jeito é aguardar futuras informações e opiniões mais detalhadas.

The One Ring com título e preço brazuca

Na última sexta-feira Maria do Carmo Zanini, editora da Devir Brasil, anunciou tanto pelo seu Twitter quanto no facebook o valor de capa de “Um Anel: Aventuras além do Limiar do Ermo”, o que nos deixa esperançosos com relação a uma possível proximidade da data de lançamento desta versão brasileira de The One Ring.

Isso mesmo aventureiro das terras médias! E pode ir se preparando porque quando este dia chegar sua primeira aventura certamente será desembolsar 165,00 pelo jogo.

Salgado o preço?

Sim, talvez… Mas leve em consideração que The One Ring: Adventures Over the Edge of the Wild (nome original em inglês) ganhou a medalha de ouro por “melhor arte interna” no ENnies Awards 2012 (eu sabia que isso iria render muito assunto) e teve varias de suas paginas ilustradas por John Howe, famoso por retratar a terra média com grande qualidade.

E se você ainda achou isso pouco devo lembra-lo de que o Um anel é considerado o melhor RPG no que diz respeito a entrar no espírito dos aventureiros que futuramente se tornarão os grandes heróis da terra média. 

O preço é realmente salgado, mas qualidade deste jogo parece ser inegável, o que talvez ajude a justificar o valor anunciado. E a pessoa que o adquirir, além dos dois livros totalmente coloridos, ainda recebera dados personalizados (sete ao todo sendo que um deles é um d12 que gera números aleatórios de 1 a 10, mais a runa de Gandalf e o Olho de Sauron) e mapas tudo condicionado dentro de uma lindíssima Box. 

 Eis o release oficial:

“Não sei ao certo o que me transtorna, mas o desassossego me pesa no coração. (…) Temos todos os motivos para aguardar ansiosos uma nova era de prosperidade! Mas alguma coisa está errada. (…) Trata-se de uma sombra que a gente sente, mas não vê. A presença de uma ameaça sem nome que não deixa as pessoas desfrutarem inteiramente a esperança e a confiança que deveriam acompanhar o retorno da luz.”

— Balin, filho de Fundin, Livro do Aventureiro, pág. 4

O Um Anel é considerado o RPG mais fiel ao espírito da Terra-média, o mundo mítico apresentado por J. R. R. Tolkien em seus romances O hobbit e O Senhor dos Anéis. Suas regras simples e elegantes reforçam os temas essenciais do universo tolkieniano, além de dividir entre todos os participantes o prazer de criar, desenvolver e narrar um grande épico.

Os jogadores interpretam aventureiros fadados a se tornar grandes heróis da Terra-média. Percorrem o continente, descobrem seus segredos, participam do desenrolar de sua história, conhecem seus habitantes e lendas vivas. Conforme a Sombra vai se insinuando mais uma vez nas terras dos Povos Livres, os personagens vão encontrando pistas do que anda acontecendo e têm a oportunidade de tomar parte na guerra contra o Inimigo.

O primeiro módulo de O Um Anel, Aventuras além do Limiar do Ermo, acondicionado numa belíssima luva, contém as regras do jogo e informações fartas sobre os povos, lugares e adversários que os personagens dos jogadores talvez encontrem em suas aventuras. O Livro do Aventureiro traz todas as informações de que os participantes precisam para começar: descreve a região da Terra-média onde as aventuras têm início, apresenta as regras básicas do jogo, mostra como criar um herói sem igual e apresenta mais detalhadamente as regras que regem, por exemplo, os combates e as viagens. O Livro do Mestre, voltado para o participante que conduzirá as sessões, discute a fundo todos os mecanismos importantes do jogo, para apresentar até mesmo ao Mestre mais inexperiente o mundo dos RPGs. Além disso, o livro também inclui uma aventura introdutória para que o Mestre possa ir direto ao que interessa. Os mapas, um para os jogadores, outro para o Mestre, concentram-se nas Terras Ermas, a região além das Montanhas Sombrias, onde ficam Erebor, Valle e a Floresta das Trevas, um lugar propício para os heróis começarem sua carreira de aventuras.

Acompanha o módulo básico de O Um Anel um brinde especial: um d12 que gera números aleatórios de 1 a 10, mais a runa de Gandalf e o Olho de Sauron; e seis d6, também personalizados.

John Howe, um dos artistas mais renomados a retratar a Terra-média, ilustra várias páginas dos dois livros.

Vencedor Ouro 2012 do prêmio ENnie de melhor arte interna.

O Um Anel – Aventuras além do Limiar do Ermo contém:

• Livro do Aventureiro, com 192 págs. em cores, ricamente ilustrado

• Livro do Mestre, com 144 págs. em cores, ricamente ilustrado

• 2 mapas das Terras Ermas, a região da Terra-média visitada por Bilbo Bolseiro em O hobbit

• Brinde: 7 dados personalizados

E o ENnies Awards foi para…

Uma noticia não tão recente assim, mas que vale a pena ser comentada, foi que durante a Gen Con que ocorreu no final de semana passado, houve a entrega do ENnies Awards 2012, que pode ser considerado como Oscar do RPG Mundial e que em suas versões iniciais visava apenas premiar jogos em sistema d20, mas que posteriormente abrangeu a premiação à todas as formas de interpretação.

Não, este post não é para dizer quem foram os premiados em cada categoria, mas sim para fazer um breve comentário sobre o maior premiado do ano, que foi o Pathfinder Roleplaying Game da editora Paizo que faturou nada mais nada menos do que sete prêmios (sendo todos eles na posição ouro)

Tá bom… Para quem ainda não deu uma conferida na lista e ficou curioso para saber quem foram os ganhadores de todas as categorias, ai vai o link http://www.ennie-awards.com/blog/who-we-are/history-of-winners/2012-noms-and-winners/

Mas para facilitar um pouco as coisas, vou listar aqui apenas as categorias que o Pathfinder faturou.   

Melhor Arte de Capa  

Melhor Cartografia

Melhor Produto Gratuíto

Melhor Produto de Miniatura

Best Production Values

Melhor Website

Produto do Ano

E de fato muitos acharam mais que merecido os prêmios faturados pelo Pathfinder, uma vez que este jogo tem uma aceitação muito grande entre os RPGistas.

Pathfinder (PFRPG) é um jogo de RPG lançado pela Editora Paizo e que é basicamente uma modificação da versão do D&D 3.5 numa tentativa de eliminar problemas existentes no D&D, o tornando mais atrativo ao simplificar suas regras e permitir a criação de novas classes aumentando também suas habilidades, e que também tem em vista manter a compatibilidade com versões anteriores. (calma, pretendo voltar em outra oportunidade e falar mais sobre este assunto)

    Este RPG foi lançado em 2009 após um ano de playtest que foi aberto ao público e do qual cerca de 50.000 pessoas participaram, retornando seus feedbacks à editora numa tentativa de tornar o jogo um dos melhores d mercado.

Uma curiosidade: A fase aberta de playtest do Pathfinder havia sido a maior até aquele momento, uma vez que sua fase de testes teve inicio em 2008 e se estendeu até 2009. Será que foi visando a um resultado tão positivo quanto este que a WotC anunciou uma fase de testes para o novo D&D Next com duração de dois anos?

  Tudo é possível…

É já que começamos o post falando sobre o ENnies Awards, uma outra curiosidade: a versão de testes do PFRPG ganhou ouro para ”melhor produto gratuito ou melhoria web” no ENnies2008

Outro jogo que também chamou a atenção na premiação deste ano foi Marvel Heroic Roleplaying Basic Game (Margaret Weis Productions) que faturou três prêmios, sendo dois de prata e um de ouro por “melhores regras”,  e que com certeza merece uma postagem aqui no blog do M&D.

D&D Next // Aconteceu na Gen Com Indy 2012 – Final

Antes de tudo, para que possamos abordar de forma eficiente as novidades anunciadas na convenção, vamos primeiro fazer um breve resumo do quem tem sido o D&D Next até o momento.

Palavras do mestre da playtest do D&D Next no fórum Masmorras e Dragões, Allian:

“Por volta do final de maio, a Wizards liberou a primeira fase aberta de playtest para o D&D Next onde eles mandaram um pacote fechado que permitiria um grupo de jogadores jogarem uma mesa de teste da nova edição e que consistia em uma aventura já pronta, que na verdade era uma aventura antiga da segunda edição, reformulada pra rolar nessa edição nova, juntamente com algumas fichas já pontas que os jogadores pudessem usar.

Logo depois eles mandaram dois questionários (um com perguntas genéricas e outra só sobre magias) para quem participou do teste beta, pedindo feedback, indicando que provavelmente eles queriam pegar uma base antes de procurar atacar problemas prováveis.

Entre os dois pacotes betas de teste o mais relevante foi a mudança nas classes e a adição de classes e raças novas. Ao invés de liberarem fichas prontas, eles liberaram as classes, raças, backgrounds e outros separadamente, o que permite que vejamos melhor como essas opções funcionam individualmente.

Houve mudanças significativas no balanceamento das classes.

O guerreiro praticamente foi refeito. O ladino, que dependia muito de se esconder para funcionar mudou bastante. Parece que a WotC quer fazer um controle bem fino do sistema de se esconder e de atacar escondido. O mago e o clérigo tiveram o potencial de combate reduzido, provavelmente pra que tudo fique no mesmo patamar.

Além disso, nos últimos dias, fizeram uma atualização no 2º pacote de testes e lançaram duas classes novas: o feiticeiro e o bruxo.”

(Numa postagem futura, volta com um resumo mais detalhado sobre essas duas classes novas lançadas)

Mas vamos as novidades anunciadas pela WotC.

Durante a importante palestra “The Future of Dungeons & Dragons“ o foco principal, como não poderia deixar de ser, foi a futura edição, o D&D Next e o que os jogadores poderiam esperar para os próximos anos

E sobre isso uma das informações mais importantes é que esta fase de teste deverá durar dois anos. Ou seja, existe uma grande possibilidade de que o lançamento da nova edição ocorra em 2014 junto com o aniversário de 40 anos do D&D

Também foi informado ao público que o primeiro, e provavelmente o principal, cenário abordado para esta nova edição será Forgotten Realms, que passara por um “Sundering” para acertar problemas existentes nas edições anteriores. Na convenção, foi também informado que este não será o único cenário, porem não deram mais detalhes sobre quais seriam os outros a serem trabalhados…

Segundo os criadores o objetivo é que no D&D Next cada classe tenha uma coisa própria, única e também evitar que a mecânica do jogo determine como cada classe deva agir.

Outra noticia que deixou muita gente animada é que a WotC pretende disponibilizar em formato pdf os livros das edições antigas de D&D, e embora não tenham sido dados maiores detalhes sobre o assunto o interesse gerado por esta informação foi grande, uma vez que os livros antigos de D&D ainda são comercializados por valores altos.

Agora é esperar pelas próximas informações da WotC e os próximos pacotes de testes.

Drizzt do’urden estava na entrada do stand do D&D na convenção

Aconteceu na Gen Con Indy 2012 – Parte I

Para quem não ficou sabendo neste final de semana, mas precisamente entre os dias 16 e 19 de agosto, aconteceu a 45º Gen Con em Indiana (EUA), que é uma das maiores e mais importantes convenções que reúne apaixonados por jogos em suas diversas formas, incluindo jogos de tabuleiros e é claro RPG.

E dentre os vários anúncios feitos para o futuro dos jogos de RPG algumas noticias se destacaram como por exemplo as informações quentíssimas sobre o novo D&D Next (que por ser um assunto extenso, vou deixar para comentar na próxima postagem) e o anuncio do inicio da fase de testes do RPG Star Wars: Edge of the Empire da Fantasy Flight.

Isso mesmo, preparem-se fãs de Star Wars (eu, eu, eu o/), foram anunciados três livros do tema, cada um contendo regras independentes e abordando um ponto de vista próprio do universo em questão, mas que se complementam.

E o primeiro deles, que provavelmente será lançado na Gen Con do ano que vem, será o Edge of the Empire que abordara o período da luta entre a aliança rebelde e o império e que tem o foco principal nos personagens marginalizados como os contrabandistas (como Han Solo) e os caçadores de recompensas (Booba e Jango Feet são bons exemplos).

Os outros dois livros seriam Star Wars: Age of Rebelion (aborda a guerra entre a republica e o império com foco nos espiões, copilotos e soldados da aliança rebelde) e Star Wars: Force and Destiny (foca nos usuários da força, que foram caçados pelo império).

Diferente dos seus antecessores, este lançamento se centraliza na guerra da rebelião contra o império. Abordando os eventos do filmes clássicos, episódios IV, V, VI. Em contra ponto ao seu antecessor direto Star Wars Saga que retrata toda a mitologia Star Wars, desde a antiga republica até o legado de Luke Skywalker.

Muito foi falado sobre o jogo Star Wars: Age of Rebelion (que esteve disponível durante o Gen Con para ser testado junto com seus criadores), mas o que causou polemica mesmo foi o fato que esta fase de testes será paga.

Isso mesmo, a versão Beta do jogo foi anunciada pela editora Fantasy Flight que deixou bem claro que ela estará disponível para qualquer pessoa jogar, desde que ela esteja disposta a desembolsar por isso U$29,95.

E acho justo avisar que não há qualquer indicio de que para quem adquirir esta versão de testes terá qualquer tipo de vantagem, mesmo que seja desconto no valor do produto, no momento da compra do jogo definitivo.

Com relação à mecânica de jogo, a parte mais relevante que foi anunciada e que Star Wars usara dados customizados (quem adquirir a versão Beta ganha adesivos que devem ser colados nos dados comuns), porém (e há quem diga que sempre tem um porém) já existe uma versão de rolador destes dados em formato de aplicativo ios e android e que são comercializados pela própria editora por mais ou menos U$ 4,99 (modelo que também pode ser usado para o jogo de miniaturas X-Wing)

A questão é que muitas editoras costumam disponibilizar uma versão gratuita para testes, e o fato da Fantasy Flight não ter adotado este procedimento gerou muitas criticas por parte dos fãs que aguardavam ansiosos pelo anuncio deste novo RPG.

Um ano de testes. Será que vale a pena pagar por uma versão incompleta deste RPG?

%d blogueiros gostam disto: